Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Agora a Sério

Um local sério para se falar das coisas sérias de todos os dias. Só para pessoas que se levam muito a sério.

Agora a Sério

Um local sério para se falar das coisas sérias de todos os dias. Só para pessoas que se levam muito a sério.

Telefonemas

amaralrita, 18.01.16

Certo dia telefonam-te:

 

- Olhe eu estou reformada da banca e vi num anúncio que vocês estavam à procura de uma voz off.

- Num anúncio? Peço desculpa mas nós não colocamos anúncios

- Ah não? Ah é que me apareceu agora aqui um alerta...no Jogue Rápido.com

- Pois, minha senhora, mas não colocámos nenhum anúncio

- Mas já agora gostava de saber é que sabe eu sou reformada da banca e sempre me interessei pelas artes, pela representação... é que até no meu trabalho me reconheciam logo pela voz e disseram que eu tinha jeito para fazer rádio e então agora que estou reformada gostava de experimentar, de fazer coisas, que isto uma pessoa estar parada não dá com nada...mas então não andam à procura é?

- Podemos sempre ficar com o seu contacto, pode-nos enviar um email com algumas demos...

- Com umas quê?
- Demos, demonstrações de voz

- Ah não tenho isso...

- Já alguma vez trabalhou em locuções profissionais?

- Ah não, não, eu só tenho experiência na banca e os meus amigos e toda a gente lá do trabalho diziam que eu tinha muito boa voz, mas eu não tenho nenhum audio, se quiserem eu posso ir aí ter convosco e gravar e vocês vêem, é que eu moro mesmo aqui ao lado, é a Rua x, não sei se está a ver, é mesmo aqui na esquina.

- Minha senhora, nós só trabalhamos com locutores profissionais

- Ah só com locutores profissionais, então é preciso ter experiência não é? Fazer rádio ou assim não é?

- É, sim

- Ah pois sabe eu queria começar a experimentar a fazer novas coisas e como sempre me disseram que tinha boa voz eu queria começar a fazer alguma coisa, para me entreter, para estar ocupada, mas eu nunca fiz rádio...am...pois, pois, sendo assim, nem vale a pena gravar não é?

- Pois, penso que não, minha senhora.

- Ah ta bem então, olhe muito obrigada pela ajuda e desculpe a maçada.

 

O meu primeiro pensamento foi: porque é que isto só me acontece a mim?

O meu segundo pensamento foi: há gente doida no mundo.

O meu terceiro e melhor pensamento foi: fogo, quem me dera estar reformada e ainda ter tomates para fazer telefonemas para arranjar algo com que me entreter.

 

É que fazer figura de parva não é o mesmo que ser parva. E eu continuo a ser parva por não ser um pouco mais como esta senhora.

 

 

sim sim sim ta bem ta bem ta bem

amaralrita, 07.07.15

Quando uma pessoa anda a treinar como falar com potenciais clientes ao telefone, temos de ter cuidado com a linguagem e ao fim de várias vezes a dizer sempre o mesmo texto, começam-se a notar os tiques:


"Estás a falar muito rápido"
"Estás a misturar palavras"
"Estás a dizer a dizer sim sim sim, tá bem tá bem tá bem. Basta dizer só uma vez".

 

A pessoa aceita as críticas "construtivas" e promete que vai fazer um esforço para melhorar - até que sai tudo ao contrário. Como os tiques não se notam, quando fazemos de propósito para não os dizer é quando repetimos, e repetimos, e repetimos e repetimos e não dá para parar!

 

O que é que eu faço?

Começo a dar murros na cabeça de cada vez que repetir um sim?

Dou um euro a alguém?

Dou um pontapé na perna contrária?

Mordo a língua?

 

Epá eu sei que é bom aprender, mas deixem-me falar com me apetece!

Se eu digo três vezes sim, é porque quero que a pessoa entenda três vezes que está a ser compreendida não uma, não duas, mas sim três vezes!

De que não há qualquer dúvida de que eu a estou a entender perfeitamente, de que a estou a ouvir e estou a adorar falar com ela.

E sinceramente já é uma sorte eu ser bastante bem educada para as pessoas e dizer sim sim sim, porque falar ao telefone é uma seca e apanha-se com cada pessoa que ter o tique de dizer sim sim sim é uma benção. 

 

Bem queria toda a gente que trabalha em call-centers apanhar-me ao telefone. Ouviam três vezes a mesma coisa mas pelo menos não os ignorava.