Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Agora a Sério

Um local sério para se falar das coisas sérias de todos os dias. Só para pessoas que se levam muito a sério.

Agora a Sério

Um local sério para se falar das coisas sérias de todos os dias. Só para pessoas que se levam muito a sério.

O melhor de 2015

Com o final do ano, temos de fazer todo um grande resumo dos melhores momentos aqui no blogue.

Foi de facto um ano cheio de aventuras e por isso aqui fica a lista de disparates feitos que me deixam super orgulhosa, pois são a prova de que evolui muito:

 

- Já sei me maquilhar, pelo menos sei o básico, não me peçam blush nem purporinas que ainda não cheguei lá;

 

- Dei largas às minhas aspirações de diva e fiz uma sessão fotográfica - até que correu bem!

 

- Homens charmosos são sempre do Sporting, está provado cientificamente;

 

Encontrei a minha cara metade e já não quero mais ninguém;

 

Experimentei dar umas dicas de ginástica mas eu continuo sem conseguir manter uma rotina digna de pessoa normal, a ver se leio este artigo para aprender alguma coisa;

 

- O mundo ficou a saber que a minha peça de roupa preferida são/eram umas calças brancas número 38. Não consigo falar delas sem ter uma lágrima no canto do olho;

 

Festejar feriados não é comigo...mas fazer a festa e conhecer pessoas é todos os dias!

 

- Aparentemente também descobri que sou famosa mas ainda não estou a ter o proveito;

 

Ir ao Porto foi uma super aventura e deu-me inspiração para me tornar numa turista a sério;

 

- Quando não se tem nada para fazer, xinga-se os meses do ano...porque pode-se culpar tudo e mais alguma coisa. Mas também porque vale a pena preocuparmo-nos com o fim do mundo?

 

- Ser saudável não é bom, porque dá trabalho, faz suar, dá dores de cabeça mas lá no fundo sabemos que vale a pena;

 

- As amigas tiveram um destaque, num momento de pieguice e fraqueza que prometo que não se volta a repetir em 2016.

 

- Ficámos doentes uma vez, quando apanhámos o Síndrome das Quatro da Manhã; e em Junho celebrámos o melhor aniversário do ano.

 

- Já o Verão, foi uma verdadeira montanha russa: o Verão chegou meio bipolar, faltámos aos festivais de verãodemos o nosso ar de graça contrariado no Santo António, engordámos uns 5 quilos, não tivemos descanso com todos os escândalos, e ficámos deprimidos com a saudade de um velho amigo que partiu e não regressa.

 

Ir às compras perdeu a sua piada e o encanto dos Saldos também já lá vai;

 

- Estamos todos hips nas redes sociais;

 

- E as aventuras no carro tomaram propoções épicas este ano: ah mais o facto de ter ficado sem bateria, gasolina e óleo num espaço de cinco meses.

 

MAS HÁ MAIS:

Entornar galão no carro; passar traços contínuos porque ir dar à volta à rotunda dá muito trabalho; correr à meia noite, para ver se passa a bebedeira; devorar um bolo às duas da manhã; ir para a night, dormir duas horas e começar o dia como se nada fosse; passar 3 horas seguidas ao telefone (sim, aconteceu); levantar às 6 da manhã para ir correr - onde é que eu tinha a cabeça; afinal a margem sul não é assim tão má; e virámos rebeldes e fizemos uma tatuagem - whaaaat;

 

E mais e mais coisas aconteceram. Mais loucuras escondidas nos pântanos da memória. 2015 foi um ano muito bom para o bloguito que está cansado de fazer tanta asneira mas parece-lhe que o futuro não vai melhorar e por isso mais vale encolher os ombros e aproveitar a montanha russa enquanto temos saúde (às vezes o colchão da cama já faz doer as costas mas nós aguentamos).

 

Beijinhos, abraços, beijinho de esquimó, corações, emojis e outras piroseiras que o bloguito gosta de mandar a todos vocês que o deixam todo piegas quando o lêem e falam com ele. Um óptimo 2016 e se se sentirem estúpidos com as asneiras que fazem na vida, já sabem que o nosso ombro está sempre aqui para vos apoiar.

 

Até 2016!

 

 

 

Adeus, calças brancas 38

É daquelas coisas que não faz sentido. Que me podem explicar e eu não vou entender. Que me vão mostrar estudos científicos e eu mesmo assim não vou acreditar. É que não cabe na cabeça de ninguém.

Então isto é assim. Eu quando tinha 15 anos era magrinha, adorava usar aquelas minhas calças brancas 38 da BSK (e elas estavam largas) e não fazia nada da vida: fingia que corria nas aulas de Educação Física duas vezes por semana, comia todas as porcarias do mundo, se bebesse um copo de água por dia era muito, não sabia o que era chá, não entravam vegetais em casa e passava a vida a comer bananas. Não havia cuidado nenhum mas era magra.

Sete anos depois, houve uma revolução: faço exercício quase todos os dias (e fico a suar), desapareceram os donuts e os croissants, eu e a aveia e o farelo de trigo somos o trio maravilha, não sei o que é comer alguma coisa com manteiga, bebo um litro de água e um litro de chá por dia e o meu frigorífico está cheio de gelatina, morangos, saladas e legumes. E fica agora a pergunta: como é que eu não cabo nas calças brancas 38?

Bem, a verdade é que há uns anos para cá as grandes lojas metem as roupas numa super máquina de lavar e todos os tamanhos diminuem. As minhas calças brancas agora devem ser um 36 a puxar para o 34. E que também isto da idade e das hormonas influencia o peso.

Mas como é que é possível?

Será que há algum ingrediente mágico nos waffles de chocolate que se vendem nas máquinas da faculdade que nos fazem emagrecer?

Será que os sundaes do McDonalds têm cafeína que ajuda na queima de gordura?

Será que as pizzas da Pizza Hut são afinal sem glutén e o queijo derretido é queijo magro?

Será que dar três voltas ao campo de futebol meio-a-correr-meio-a-andar queima mais calorias do que uma aula de spinning? 

Será que a partir dos 20 anos o oxigénio que respiramos começa a contar como calorias?

A sério que não percebo e nunca vou perceber.