Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Agora a Sério

Um local sério para se falar das coisas sérias de todos os dias. Só para pessoas que se levam muito a sério.

Agora a Sério

Um local sério para se falar das coisas sérias de todos os dias. Só para pessoas que se levam muito a sério.

O que eu não percebo nos Santos Populares

Chegou a noite em que Lisboa se torna ainda mais bela, chegou a noite em que Lisboa mostra toda a sua tradição, chegou a noite em que Lisboa vive tudo aquilo que tem para dar. Só tem o grave problema de ser a pior noite do ano.

 

Eu sou toda a favor dos Santos Populares, das marchas, dos manjericos, das sardinhas, das cervejas, do convívio, enfim, eu sou por tudo! Mas é tão chato tornar a noite de 12 de Junho interessante. É que não dá, porque as pessoas todos os anos fazem as mesmas asneiras, queixam-se de que a noite foi uma confusão, prometem que nunca mais regressam mas no ano seguinte fazem tudo outra vez, como se não lembrassem de nada!

 

Por favor, se vão aos Santos hoje à noite pensem duas vezes e arranjem uma estratégia decente. Deixem de fazer o que toda a gente faz e perguntem-se a vocês próprios se vale a pena cometer os mesmos erros. Examinem bem a vossa vida e não tenham estas ideias brilhantes.

 

Temos de ir a Alfama - mas porquê temos? Até há Santos na margem sul, porquê ter de ir a Alfama?

 

Andar de um lado para o outro a encontrar pessoas - só há pessoas na rua, para quê acharmos que somos especiais e vamos ser aqueles que vão mesmo encontrar os amigos?

 

Comunicar por telemóvel - já toda a gente sabe que não há rede mas não custa tentar.

 

Procurar pela cerveja mais barata - tipo é os Santos, está tudo ao mesmo preço inflacionado, se não tens dinheiro, fica em casa.

 

Querer a sardinha especial - se não há aqui, há na banca a seguir, e na a seguir, e na a seguir, e na a seguir, e na seguir, e na seguir...então a perceber, não é?

 

Eish não me apetece ficar aqui - mas será que é melhor andarmos aos encontrões só para andar meio metro? Fiquem num sítio só, se faz favor.

 

Vamos ver a festa nas Portas do Sol - chegamos lá e já não há festa nenhuma, qual é a parte do vamos ficar quietos num sítio a conviver que as pessoas não percebem?!

 

Está na hora ideal de irmos à Sé - e é a hora ideal porque é a hora que toda a gente também vai.

 

O mais fácil é voltarmos de taxi para casa - esperar duas horas em pé na fila não é o meu conceito de fácil, mas pronto.

 

Ah eu levo carro, eu conheço um sítio em que há sempre lugar - deve haver lugares para estacionar ilimitados em Lisboa.

 

Esperamos até as 6 pelo metro - mas espera bem porque não vais apanhar nem o primeiro nem o segundo.

 

Eu vou sair com uns amigos mas encontramo-nos em Santa Apolónia para voltarmos para casa juntos - boa sorte nisso, vemo-nos em Setembro, então.

 

Encontramo-nos no Terreiro do Paço e depois logo se vê - lá diz o ditado, é mais fácil subir do que descer.

 

Eu contra mim falo porque já sei que vou sair, já sei que vai correr mal, já sei que me vou chatear, já sei que vou acordar mal no dia a seguir, já sei disso tudo. Mas vamos à mesma, porque do que o português gosta é de festa.

4 comentários

Comentar post