Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Agora a Sério

Um local sério para se falar das coisas sérias de todos os dias. Só para pessoas que se levam muito a sério.

Agora a Sério

Um local sério para se falar das coisas sérias de todos os dias. Só para pessoas que se levam muito a sério.

Fenómenos de Verão

Estamos a meio de Julho, parece que já não vem chuva nenhuma, o Algarve já está a bombar logo é mesmo Verão, não é?

Pronto, é agora que começa a minha depressão de quando-é-que-começam-as-minhas-férias. Mas enquanto isso não acontece, lá temos de viver o Verão em Lisboa, o que levanta algumas peripécias, que não têm piada nenhuma. Até a minha ironia (ou melhor, honestidade pura) deixa de estar tão engraçada com estas temperaturas, com esta moleza de que nada acontece:

 

- Sentar e levantar da cadeira com vestido ou saia é fantástico para se ficar com uma leve camada de suor nas pernas. Di-vi-nal;

- Sair de casa e passado uma hora querer trocar a roupa encharcada de suor também é uma sensação de outro mundo;

- Deixar o cabelo secar ao natural é bastante eficiente: ele fica tão tão tão seco que vira palha;

- Fazer a depilação nas pernas e três dias depois já está tudo na mesma. Ser mulher é difícil.

- Ficamos castanhos na pele e castanhos nos pés: usar sandálias é sinónimo de pés sujos, secos, suados, com bolhas e feridas e restos de verniz mal pintado. Blheca.

- Os homens importantes lá continuam a utilizar fato E gravata. Chama-se exercício passivo e lá se vão três quilos.

- Quer ir àquela esplanada gira? Está cheia. Quer ir àquele café mais escondido? Já fechou para férias. Quer ir finalmente sair à noite? Está tudo em Vilamoura. Mais vale ir com os primos bebés ao parque e levar o último livro do Nicholas Sparks.

- A única coisa que se pode safar é os jantares e os festivais de verão e as barraquinhas de comida na rua. Mas não sei se me faz bem ao ego ouvir: "olha vamos marcar café? Voltei hoje do Algarve, que é que se faz por cá?".

- Ir para a praia é só ao fim-de-semana e vamos todos motivados até que vemos a fila para a ponte. Vai ser uma sorte encontrar um lugar no meio de famílias que montam um estaminé que rivaliza as melhores rulotes dos parques de campismo.

- Por falar em Parques de Campismo, ter férias perto da capital é sinónimo de virar bicho do mato. É literalmente ir uma semana para o mato.

- Beber água é pior que respirar. Parece que temos de andar com um garrafão de cinco litros atrás.

 

Fica assim este post como aconchego para as alminhas que espalham o não bronze pela Baixa ao lado de ingleses com bronze de lagosta a gastarem notas de 50 em gelados do Santini enquanto comentam que voltaram do Allgarve. Vidas tristes.

 

Verão: Calor ou chuva?

Sabem, há muito que queria desabafar com vocês sobre o calor infernal que se vive em Lisboa. Esqueçam o calor dos 32 graus que só aconteciam em dois dias e a cidade toda protegia-se indo para a praia. Isto agora começa nos 35 e as noites de verão lindas e perfeitas desapareceram, com o vento que se põe. Cá para mim mudei-me para o Egipto e ninguém me avisou.

 

É fantástico usar sandálias e vestidos e não andar com casacos atrás mas estamos a chegar ao cúmulo do exagero. Isto já não é calor, isto já é uma sauna. Já nem vale a pena mandar as pessoas para o Inferno - até o inferno parece mais fresco do que Lisboa neste momento. Como é que se sobrevive a isto? Vou viver para um frigorífico? Uso biquini na rua? Mudo-me para grutas? Emigro para o Pólo Norte? Mais uma gotinha de suor a dar festinhas nas minhas costas e eu saio deste planeta.

 

Esta minha raiva poderia acalmar com a descida da temperatura - uns fantástico 28 graus todos os dias com o céu azul e o Verão estava feito - mas nãããão. Isto um dia estão 35 graus, no outro acorda-se com o céu cinzento e no dia seguinte há previsões de chuvas. Mas vai chover porquê? Se eu quisesse chuva e calor ia viver para as Caraíbas. Mas ninguém percebe o mal que isto faz ao meu cabelo? Um dia está lindo ao sabor do vento e no outro está liso e oleoso. E à minha pele? Então um dia anda a espalhar brilho e bronze pela Avenida da República e no dia seguinte chora debaixo de calças e mangas?

 

Nem sei o que pedir para parar isto: se um grupo de assistentes que me abanem aqueles leques monstruosos à lá Cleópatra ou se compro umas Hunter agora para os Saldos. Enquanto isso, quero o livro de reclamações, se faz favor.